Miami é emblemática para os brasileiros, e Miami Beach é seu coração turístico. Pra quem não conhece e vai passar pouco tempo por lá, uma sugestão é ficar próximo à Lincoln Road – rua perpendicular à beira-mar (Ocean Drive e Collins Avenue) com um naco de 8 quarteirões  de calçadão exclusivo para pedestres, fervilhante de lojinhas, cafés e restaurantes.

Se em São Paulo meu passeio obrigatório é pelo bairro da Liberdade, nos USA isso acontece com a Walgreen’s, uma onipresente loja que ainda não descobri se é uma drogaria com mercado ou um supermercado com seção de remédios. No início (ou seria o final) da Lincoln existe uma loja da rede. Se eu ficasse 7 dias por lá, provavelmente passaria (no mínimo) sete vezes pela Walgreen’s… e com certeza em todas sairia com alguma compra de lá.

A meio quarteirão você encontra também sua irmã-concorrente: a CVS Pharmacy! Enorme, muitos corredores com zilhões de besteirinhas. Bom pra perder horas garimpando e se refugiando no ar condicionado.

Voltando ao calçadão, é isso que o visitante encontra no canteiro central: muitas árvores, gramadão, mesinhas e lounges dos restaurantes à sua margem.

Turistas passeando, gente panfletando, bicicletas circulando, Segways cortando o caminho, crianças seguramente soltas.

E chegamos à Maison Paul, uma confeitaria francesa, exatamente na filial onde meu cunhado trabalhou. Fiquei surpreso: a loja é muito boa MESMO!

Batata rösti com ovo estrelado, fresh-squeezed orange juice, um aeradíssimo croissant e, claro, manteiga-manteiga-manteiga!

Um quarteirão à frente você vai encontrar um belo restaurante da rede 5 Napkin Burger. Aliás, já notaram que nos USA, todo estabelecimento que não é pequetitinho faz parte de uma rede?

Bela decoração com paredes de azulejo branco, balanças antigas, garrafas multi-coloridas de soda.

Talvez seja reflexo da constatação de que o turista brasileiro é o nº1 em gastos nos USA, e nesse ponto contribuiu o fato de eu ter estar trajando a camisa da Seleção, mas o atendimento foi espetacular. Atendentes super-prestativos, se oferecendo para tirar fotos, tentando se comunicar em português, etc.

Além de um enorme e hipnotizante bar, a carta de cervejas também é de encher os olhos: 8 variedades de drafts e mais de 200 rótulos de cervejas premium, organizados por estilo (pale, stout, weiss, etc.), sendo grande parte delas lá mesmo dos Estados Unidos. Budweiser? Nem pensar!!!

Pedi um lamb kafta burger com onion rings de acompanhamento e... faltou algo. Sal e pimenta? Talvez, mas também personalidade e tempero. Essa pode ser a razão para que os americanos usem tantos molhos (ketchup, mostarda, barbecue, steak sauce, tabasco, etc). Segui a filosofia dos nativos e tasquei os molhinhos.

Mais à frente está uma Apple Store art-deco, sempre fervilhando de turistas. Tentei infrutiferamente encontrar um iPad2 3G. Dica? Vá à Best Buy (na 5th Street): exatamente o mesmo preço, loja vazia, estacionamento fácil e... produto disponível!

Em locais como a Lincoln Road, sempre tenho a impressão de que o comércio inteiro é uma grande “arapuca pra turistas”. Não deixa de ser verdade, mas recebemos a indicação de um restaurante diferente dos outros, inclusive com a recomendação de moradores locais. Apesar de ter encontrado algumas resenhas desfavoráveis no TripAdvisor, lá fomos nós.

O restaurante Quattro fica no outro extremo do calçadão e destoa dos demais estabelecimentos da rua: um elegante salão, mesa com enxoval clássico, garçons com uniformes formais.

O couvert vem à mesa com uma cesta de excelentes pães, grissinis franceses, e um espetacular azeite italiano. Para a entrada pedimos um grande prato com rúcular, fartas e finíssimas lâminas de um delicioso proschiutto, e uma bolona de burrata ao centro. O rápido ataque dos comensais impediu a foto.

Ideal para um italiano tradicional: "clam pasta" regado ao vinho branco.

Meu prato, "cotolettas alla milanese": bem feito, sem surpresas, delicioso. Supresa num toque simples: meio limão siciliano, pra espremer, embrulhado numa capa de filó. Isso evita que sementes e bagaço caiam no prato, ou aqueles desagradáveis respingos voadores. Adorei!!!

A idéia do prato era muito boa, e prometia: rolinhos de vitelo com recheio de parmesão. Decepção: nada mais que um croquete de carne metido a besta.

Petit-gateau de chocolate com sorbet de vinho do Porto. Muito bom.

Mil-folhas de pistache com sorbet de framboesa. O recheio da tortinha era uma pasta de pistache, e teria um resultado (tanto gustativo quanto visual) muito melhor se também viesse com castanhas de pistache na montagem. E que jeito é esse de colocar a calda no prato?! Não seria melhor se fosse mais espesso? Ou então servir um "laguinho"? Ou à parte? Médio.

É. A rua é mesmo cheio de arapucas para turista, mas… o que nós somos mesmo? TURISTAS! E estarei lá, de volta, na próxima visita!

Anúncios