G9 da gastronomia lança carta a cozinheiros

Um grupo com alguns dos chefs mais importantes do mundo – apelidado de G9 – assinou e divulgou neste fim de semana, durante o Mistura, evento de gastronomia de gastronomia realizado em Lima, no Peru, uma carta aberta dirigida aos “cozinheiros de amanhã”.

Assinada por Ferran Adriá, René Redzepi, Alex Atala, Massimo Bottura, Gastón Acurio, Dan Barber, Michel Bras, Heston Blumenthal (que não foi a Lima) e Yukio Hattori, o documento tem quatro temas centrais: a relação com a natureza e a sociedade, a gastronomia como geradora de conhecimento e os valores inerentes ao trabalho do chef.

“Carta Aberta aos Cozinheiros de Amanhã

Nestes tempos em que a sociedade está em constante evolução, nossa profissão deve responder de forma ativa a novos desafios.

A partir da diversidade existente no ofício culinário, com suas múltiplas expressões e formas de fazer, os cozinheiros estão unidos na paixão pela cozinha e entrega a um trabalho que é um meio de vida.

Entendemos a cozinha como um mundo de oportunidades, que nos permite expressarmo-nos livremente e transformar em realidade nossas inquietudes e aspirações.

Consideramos a cozinha algo mais que a resposta humana à necessidade de alimento. Para nós, é mais uma busca da felicidade, uma poderosa ferramenta de transformação que pode mudar a forma de o mundo se alimentar graças ao trabalho conjunto de cozinheiros, produtores e comensais.

Sonhamos com um futuro em que o cozinheiro e a cozinheira se comprometam, consciente e responsavelmente, com a contribuição para uma sociedade mais justa, solidária e sustentável.

Como membros do Conselho Assessor Internacional do Basque Culinary Center seguimos sonhando e refletindo, a partir de nossa experiência diversificada, sobre os futuros desafios de nossa profissão. Esperamos que tais reflexões sirvam de referência e inspiração aos jovens que serão os cozinheiros de amanhã.

A vocês é dirigida esta ‘Carta Aberta aos Cozinheiros de Amanhã’, que divulgamos em Lima no dia 10 de setembro de 2011.

Com relação à natureza

‘O trabalho de vocês depende dos frutos da natureza. Assim, vocês são responsáveis por defendê-la, usando sua cozinha e sua voz como instrumento de recuperação e promoção de determinadas variedades e espécies’, assinala o primeiro ponto. Com esse alinhamento, espera-se que os novos cozinheiros promovam e pratiquem, com a terra e a cozinha, um sistema de produção sustentável.

Com relação à sociedade

‘Vocês são um produto da cultura, e através dele, herdeiros de um legado de sabores, costumes gastronômicos e técnicas de cozinha.’ Este segundo ponto estimula o cozinheiro a não ser um ator passivo, mas que por meio de sua cozinha, sua ética e seus conceitos estéticos contribua para a cultura e identidade de um povo. Que se comprometa também com o desenvolvimento econômico de sua sociedade e dos produtores, criando uma cadeia produtiva que também beneficie a comunidade.

Com relação ao saber

‘Vocês têm a oportunidade de gerar novos conhecimento, seja desenvolvendo novas receitas, seja participando de projetos de pesquisa profunda. E, assim como se beneficiaram das lições de outros, têm a responsabilidade de compartilhar o que aprenderam’, assinala o terceiro ponto.

Com relação aos valores
‘Vivemos num tempo em que a cozinha pode ser uma bela forma de autorrealização. A cozinha é hoje um campo de evolução constante no qual intervêm disciplinas múltiplas. Por isso, é importante que vocês encarem suas inquietudes, sentimentos e sonhos com autenticidade, humildade e, sobretudo, paixão.’”

– Por Janaina Fidalgo, transcrito do site Paladar –

Anúncios