Semana passada houve mais uma edição do BL, uma confraria da qual participo e sobre a qual já falei nessas páginas. As “funções” são assumidas voluntariamente, e como isso demorou a acontecer, as receitas executadas acabaram descambando para as massas.

A entrada foi uma bruschetta simples, executada por Marcos Dias e Félix Júnior, com autoria intelectual de Celson Nassar (que estava ocupado com o prato principal). O pão foi levemente tostado numa churrasqueira elétrica, riscado com alho cru, coberto com tomate concassé, azeite de qualidade e manjericão. Simples, gostoso, certeiro.

Enquanto os trabalhos prosseguiam, os confrades mordiscavam esses pedriscos, trazidos por Alessandro Martins de sua viagem a Dubai. São tequinhos de chocolate confeitado, e já pensei logo na bela sobremesa que daria, de algo “plantado” num “solo” desses!

Prato principal saindo, Celso sendo assediado pelos papparazzis.

Pasta al vôngole, mesclada com longas juliennes de zucchini, molho feito com suco do miolo do tomate (da entrada) mesclada com o caldo amanteigado do cozimento dos vôngoles. Pimentinha calabreza à parte, ao gosto dos comensais (no meu caso, muito).

Assumi os encargos da sobremesa em parceria com o Alessandro, que ainda por conta da passagem por Dubai trouxe baunilha. Confesso que foram as melhores favas que usei em toda minha vida.

Quem disse que rabanada se come apenas nas festas de fim de ano?! Começamos preparando algumas…

…sobre as quais passamos uma camada de creme confeiteiro (é aquele recheio cremoso do sonho, mas feito no hora e com pintinhas pretas decorrentes do uso de baunilha de verdade), cubrimos com uma salada de 5 tipos de frutas e semente de papoula.

Ou seja: foi massa, massa, e mais massa. A previsão e os insumos eram para 18 pessoas, mas apenas 14 atenderam ao encontro. Acabaram com o vinho, e a turma só dispersou quando a cerveja também zerou. Todas as etapas fizeram grande sucesso, todas as panelas foram raspadas. No final a sensação era uma só: o cardápio foi italiano, mas com um “quê” de francês – poderia ter mais!!!