Certa vez fiz uma viagem de 35 dias passando por 5 cidades americanas e outras 3 canadenses. Estávamos em 4 casais, numa big van para 15 pessoas. Era outra época, recém-formado.

Depois disso, cuidando dos restaurantes da família, casado, com filhos, etc, dificilmente conseguia me permitir dois finais de semana consecutivos. O período padrão (quando muito) era uma semana, e ainda assim sempre com o celular ligado (como eu digo, dono de restaurante é mais solicitado do que médico plantonista em hospital público).

Agora, sem trabalho fixo e num período desfavorável para promover eventos em Brasília, resolvemos fazer a primeira viagem com agenda totalmente livre.

=PercursoSaímos de Brasília em 18/dezembro sem roteiro fixo e sem data certa para voltar. Rodamos 5.000 kms passando por Ourinhos/SP, Curitiba/PR, Porto Alegre/RS e Cruz Alta/RS (no trecho verde), voltando por Florianópolis/SC, Penha/SC e Ribeirão Preto/SP (o trecho preto).

Sempre que se faz uma viagem padrão, mais curta, volta-se com a sensação de “quero mais”, de que poderíamos curtir mais um pouco. Com essa quilometragem toda nas costas, e após 25 dias fora de casa, o retorno ao lar é 100% no espírito de Dorothy (Mágico de Oz): “there’s no place like home”!!!

Tenho certeza de ter proporcionado a minha gurizada uma viagem inesquecível, cheia de novidades e experiências espetaculares. Ao longo dos próximos dias vou compartilhar com vocês um pouco delas. Aguardem!