Tags

, ,

cochon1Dias atrás postei a foto acima nas redes sociais. São produtos que recebi de João La Farina, um de meus parceiros na edição brasiliense do Gastronômade Brasil (a.k.a. Outstanding in The Field).

Curiosa a reação causada. Gerou um turbilhão de CURTI‘s, mas também algumas reações adversas (todas vindas de amigos, e todas bem educadas, frise-se). Não se tratou de uma foto de maus tratos, humilhação ou tortura a animais. É a imagem de alimentos que levamos à mesa!

Sempre que tenho tais produtos à mão mostro a meus filhos. Quero que vejam, que conheçam de onde vêem os pratos que adoram. Tenho medo que se juntem à horda que rejeita alimentos que lembrem a forma dos animais. O FRANGO nasceu dum ovo. Ele não chocou na forma de um NUGGET de dentro duma caixinha de papelão. A PICANHA não cresceu numa embalagem a vácuo, e a costelinha de PORCO não nasceu na bandeijinha de isopor.

Se você tem pena dos animais, é contra seu abate, tem nojo/repulsa, vai aqui uma sugestão de coerência: pare de comer aquela lingüiça do churrasco, pare de achar linda e se deliciar com aquele bife de chorizo ao ponto, torne-se um VEGGAN. Não é preconceito, não é tripudiação: é escolha pessoal e coerência de discurso. Eu e os meus seguiremos achando lindo os leitões-mamões, e babando com o produto final (abaixo).

cochon2