Já havia prometido anteriormente a Thomas Troisgros ir experimentar o menu novo do reformado Olympe, mas pelas cargas da vida só consegui realizá-lo semana passada. O novo já não era mais tão novo (com meio ano em cartaz), mas mostrou que o sucessor do clã está cada vez mais confortável e sólido no comando da casa, sempre em pratos que combinam pitacos tanto de pai quanto de filho.

=1

Pra começar, o tradicional couvert e seus biscoitos de polvilho com curry. E abrindo os trabalhos, o rosado Cuvée CT, por Adolfo Lona.

=5

Terrine de polvo com maionese do próprio molusco (feito com caldo super reduzido do cozimento), picles caseiros, quiabo e brotos.

=2

Tradição imperdível: capuccino trufado de cogumelos.

=3

Duo de salmão e fake-tuna (o “atum” é, na verdade, melancia marinada).

=4

No programa Que Marravilha, Claude Troisgros é sempre assessorado na cozinha pelo lendário Batista (que nos emails internos do grupo CT é designado por “Jean Baptiste”!) e por Cleiton no salão (na foto, de terno). Companhias da noite: o próprio chef, de avental, e o belga Frederic de Maeyer (do restaurante Eça/RJ, à esquerda na foto).

=6

Nhoque de batata roxa com araruta, queijo, e chips de bacalhau.

=7

Vieira grelhada, carpaccio de pupunha, rapadura ralada, e purê da fruta da pupunha com doce-de-leite (espetacular!).

F

Cavaquinha na manteiga com casquinhas douradas de batata.

G

Triglia com as próprias escamas fritas (crocantíssimas), pirão de tucupi e caviar frito.

A

Porquinho confit, maçã, molho de uva isabel, e farofa com nibs de chocolate.

B

Sim, o menu foi todo harmonizado, e esta etapa mereceu ser escoltada por um super-Toscano: costela bovina de 48 horas com mil-folhas de aipim, molho de blue-berry, e purê de marron glacê.

C

Pré-dessert: creme de queijo, fios de baroa, e charque crocante.

D

Mil folhas de maçã: discos de maçã desidratada intercalados com sorbet de pura maçã verde.

F

Tábua de petit-fours: sucrilhos com chocolate, macarron, palha italiana, financier, e maria-mole.

Treze etapas depois, vários vinhos, muito papo furado e satisfação estampada no rosto, peguei o rumo da roça (entenda-se: o hotel), já me prometendo repeteco em dezembro. Bora?!